sábado, 25 de agosto de 2012

Brasileiros criam painel interativo para deficientes físicos com o Kinect

Sistema identifica pessoas que perderam membros e cadeirantes.
Usuários podem usar comandos de voz em português para navegar na web.

 
O Kinect, acessório para Xbox 360 e PC que reconhece os movimentos do jogador, é muito usado em games e dispensa o uso de joystick. Desde o lançamento do aparelho no final de 2010, desenvolvedores "hackearam" o dispositivo para usá-lo com outras funcionalidades, o que fez a Microsoft lançar um kit de desenvolvimento aberto para que o Kinect fosse utilizado para outras finalidades.
Finalidades estas que o FIT - Instituto de Tecnologia, de Sorocaba, no interior de São Paulo, percebeu que poderia aplicar ao Kinect para melhorar a interação de deficientes físicos com a tecnologia. "Criamos um painel interativo em que qualquer pessoa, com deficiência física ou não, pudesse interagir", disse ao G1 o analista de sistemas do FIT Maurício Oliveira, responsável pelo projeto que demandou dois meses de trabalho e foi concretizado há três semanas. "Exploramos a questão da deficiência como fator de inclusão, mas o mesmo aplicativo permite que pessoas sem deficiência possam usá-lo".
Sistema usa o Kinect, fazendo com que o acessório identifique deficientes físicos que perderam parte dos membros (Foto: Divulgação/FIT)
 
Foi desenvolvido um painel interativo em que cadeirantes ou quem perdeu parte dos braços possa usar e interagir, acessando informação. O aplicativo usado apresenta um mapa do mundo, no qual os usuários navegam pelos continentes utilizando os braços e obtêm informações sobre 60 países.
O sistema também reconhece comandos de voz em português - no Kinect para o Xbox 360, o idioma ainda não foi lançado oficialmente, embora na feira E3, a Microsoft tenha dito que uma atualização traria comandos de voz em português nos próximos meses.

"Mais do que um game, queríamos fazer algo com propostas mais nobres. Já que o Kinect reconhece braços e cabeça do jogador, ele poderia rastrear qualquer outra parte do corpo", explica. "Foi um trabalho de programação e de estudo das características da deficiência física da pessoa. Vimos que é fácil controlar o sistema pelo Kinect com o braço, mas é mais complicado para quem tem apenas parte dele e, por isso, tivemos que calibrar o sistema".

Segundo Oliveira, o FIT tem mais de 200 pessoas com deficiência física, que ajudaram a criar o sistema.


Usos da invenção
De acordo com Oliveira, não existe um único propósito do que pode ser feito. O programa pode ser construído do zero para qualquer finalidade. "O potencial [dele] é forte", afirma. Ele exemplifica, dizendo que lojas podem usar o sistema para criar uma vitrine virtual que pode ser utilizada por qualquer pessoa.

Ainda, Oliveira acredita que o Kinect pode ser usado na área da educação. "As crianças, por iniciativa própria, podem usar e brincar, assimilando conteúdo que só conseguiriam aprender ou gravar do modo tradicional".
O potencial na área médica também é destacado. "Muitas empresas têm usado o Kinect na fisioterapia. Procuramos criar aplicações para atender esta área".

Deficientes visuais
O sistema criado pela FIT também permite que deficientes visuais utilizem o sistema. Por meio de comandos de voz, eles podem navegar na internet. "Ele sabe o que há na tela por meio de uma narração dinâmica. O sistema pode até ler uma notícia para a pessoa".


O sistema, por meio do Kinect, reconhece cadeirantes e comandos de voz em português (Foto: Divulgação/FIT)
 
Fonte: G1

Projeto isenta pessoa com deficiência de tarifa de embarque

O Projeto de Lei 3641/12, do deputado Junji Abe (PSD-SP), concede isenção de tarifa de embarque em voos domésticos a pessoas com deficiência.



Para o deputado Junji Abe (PSD-SP), uma vez que normalmente esses cidadãos têm gastos maiores que os demais com, por exemplo, despesas médicas, “não é justo que recebam o mesmo tratamento quanto ao pagamento de tarifas aéreas, especialmente, quando utilizam a aviação a trabalho”.
A tarifa de embarque é fixada em função da categoria do aeroporto e da natureza da viagem (doméstica ou internacional) e cobrada antes do embarque do passageiro. Ela remunera a prestação dos serviços e a utilização de instalações e facilidades existentes nos terminais de passageiros, com vistas ao embarque, desembarque, orientação, conforto e segurança dos usuários.
 
Junji Abe afirma ainda que após a Constituição de 1988, as pessoas com deficiência são vistas de forma mais participativa no mercado de trabalho. “Contudo, apesar de toda mobilização do Estado e da sociedade, existem ainda entraves dificultando a vida dessas pessoas, como a cobrança de tarifa de embarque”, sustenta.
 
Tramitação
A proposição foi apensada ao PL 4638/09 e está sujeita à apreciação do Plenário. Regime de tramitação: Prioridade.
 
Fonte: rede saci

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Lei de Acesso à Informação: Secretaria cria Serviço de Informações ao Cidadão

Pelo SIC é possível solicitar documentos e dados relativos aos órgãos e entidades da Administração Pública Paulista

A Lei de Acesso à Informação foi instituída pela Lei Federal n° 12.527, de 18 de novembro de 2011 e teve sua regulamentação estabelecida para o Estado de São Paulo por meio do Decreto Estadual n° 58.052, de 16 de maio de 2012.

Para dar cumprimento a essa legislação, a Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência criou o SIC - Serviço de Informações ao Cidadão, que pode ser acessado por e-mail, via postal, por telefone ou pessoalmente.

Para informações sobre a área de atuação e abrangência da Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo, entre em contato com o nosso SIC. Você precisa apenas se identificar com seu nome completo, número do documento de identidade e endereço.
Conheça detalhes acessando a página http://sic.sedpcd.sp.gov.br/

Fonte: secretaria dos direitos da pessoa com deficiência

sábado, 18 de agosto de 2012

Viver sem limite anuncia que 99 mil moradias do minha casa, minha vida terão quartos ampliados para deficientes

Maria
Maria do Rosário: 99 mil moradias populares do Minha Casa Minha Vida terão cômodos ampliados em 3 metros, para adaptá-los a portadores de deficiência.
O Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência Viver sem Limite já alcançou, neste mês de agosto, as metas previstas para o ano de 2012. É o que revelam dados, divulgados nesta quinta-feira (16), no primeiro balanço do programa. Em um ano, foram contratadas 99.185 moradias populares do Minha Casa Minha Vida, que terão cômodos ampliados em mais três metros, para adaptá-los às pessoas portadoras de deficiência.

A ministra da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Maria do Rosário, comemorou o resultado positivo e adiantou que, até janeiro próximo, pessoas portadoras de deficiência também poderão adquirir veículos com preço inferior a 30% do valor de mercado, caso os estados concordem com a isenção do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS).

Todas as iniciativas de mudança, tanto no marco normativo quanto na pactuação com os estados, foram alcançadas nesse primeiro semestre de 2012, explicou a ministra. Entre as metas alcançadas estão a criação de 20 mil vagas para pessoas com deficiência no Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) e a aquisição de 678 ônibus acessíveis, ante a meta de 609 desses veículos, que serão entregues a 519 municípios entre novembro deste ano e março de 2013.

O Viver sem Limite foi lançado em novembro de 2011 pela presidenta Dilma Rousseff, com o objetivo de implementar novas iniciativas e intensificar ações dos 15 ministérios que desenvolvem políticas públicas para pessoas portadoras de deficiência. O plano prevê investimentos de R$ 7,6 bilhões para ações em todas as unidades da Federação, em quatro grandes eixos: Acesso à Educação, Atenção à Saúde, Inclusão Social e Acessibilidade.

As ações são promovidas pelos ministérios, com a participação dos estados e municípios, mas coordenadas pela Secretária de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) e pelo Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência (Conade).
Desde o seu lançamento, oito estados já aderiram ao plano e outros 18 estão em negociações avançadas. Nas próximas semanas são esperadas as adesões de Pernambuco, Sergipe e Paraíba. Atualmente, segundo dados do censo do IBGE-2010, existem 45,6 milhões de brasileiros com algum tipo de deficiência.

Metas cumpridas no eixo Educação
Na área de Educação, além da disponibilização de 20 mil vagas para alunos com alguma deficiência no Pronatec e dos 678 ônibus especiais, cerca de 2.023 municípios aderiram ao Programa de Benefício Continuado (BCP). Houve ainda a licitação de 13.500 salas de aula com recursos multifuncionais e adquiridos 1.500 dos 15 mil kits de atualização previstos.

Segundo os dados do balanço, 2.866 municípios estão incluídos no Pode Escola Acessível, que deve beneficiar 10 mil escolas, enquanto 55 universidades federais já receberam recursos para estruturarem núcleos de acessibilidade aos portadores de deficiência.

Saúde e área social
No setor de saúde, todos os estados participam da instalação dos Centros de Referência em Reabilitação e da criação de programas especialmente desenvolvidos para atender portadores da síndrome de Down, de deficiências visuais e de lesão medular.

Igualmente na área de inclusão social, todos os estados estão participando dos programas, segundo informaram a ministra Maria do Rosário e o secretário nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Antonio José Nascimento Ferreira. Foram repassados recursos para os Centros-Dia de Referência em Curitiba (PR), Campo Grande (MS), Belo Horizonte (MG) e João Pessoa (PB) e visitadas 2.926 pessoas, incluídas no benefício de prestação continuada.


Fonte: Portal Planalto

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

ANTT garante condições de acessibilidade para pessoas com deficiência

A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) estabeleceu por meio da Resolução nº 3.871/2012, os procedimentos para assegurar condições de acessibilidade às pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida que utilizam o transporte rodoviário interestadual e internacional de passageiros.

Tais usuários têm direito a receber tratamento prioritário e diferenciado nos ônibus com segurança e autonomia, total ou assistida, sem pagar tarifas ou acréscimo de valores no preço das passagens.

As empresas de ônibus deverão adotar, 30 dias após a publicação da resolução, as providências necessárias para assegurar as instalações e serviços acessíveis, observando o Decreto nº 5.296/2004, as normas técnicas de acessibilidade da ABNT e os programas de avaliação de conformidade desenvolvidos e implementados pelo Inmetro.

Deverão providenciar os recursos materiais e o pessoal qualificado para atender os passageiros e divulgar, em local de fácil visualização, o direito a atendimento prioritário de pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida, inclusive com deficiência visual e auditiva.

As transportadoras deverão também avisar, com dispositivo sonoro, visual ou tátil, os pontos de parada entre a origem e o destino das viagens de forma a garantir as condições de acessibilidade. No embarque ou desembarque deverão apresentar as seguintes possibilidades:
- passagem em nível da plataforma de embarque e desembarque do terminal (ou ponto de parada) para o salão de passageiros;
- dispositivo de acesso instalado na plataforma de embarque, interligando-a ao veículo;
- rampa móvel colocada entre o veículo e a plataforma;
- plataforma elevatória; ou
- cadeira de transbordo.

Os passageiros poderão transportar, gratuitamente, os equipamentos que utilizam para sua locomoção, mesmo que extrapolem as dimensões e excedam os limites máximos de peso. Nesse caso, deverão informar à transportadora com antecedência mínima de 24 horas do horário de partida do ponto inicial. No caso de locomoção com cão-guia, o animal será transportado gratuitamente, no piso do veículo, próximo ao seu usuário.
De acordo com a resolução da ANTT, os ônibus interestaduais, com características urbanas, deverão ter 10% dos assentos disponíveis para o uso de pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida, garantindo o mínimo de dois assentos, preferencialmente localizados próximos à porta de acesso.

Para assegurar as condições de acessibilidade, a frota total de veículos das transportadoras deverá ser fabricada ou adaptada. Até 2 de dezembro de 2014, as condições de acessibilidade para os veículos utilizados exclusivamente para o serviço de fretamento serão exigidos somente daqueles fabricados a partir de 2008. Após essa data, as condições de acessibilidade serão exigidas da totalidade da frota.

As empresas que descumprirem a resolução da ANTT estarão sujeitas à multa e os veículos poderão ser descadastrados do Sistema Informatizado da agência.

Fonte: http://www.apabb.org.b

sábado, 11 de agosto de 2012

Deputado quer cadeiras de rodas para deficientes em escolas

Evaldo quer ampliar as políticas públicas de inclusão para os portadores de deficiências.


O deputado Evaldo Gomes (PTC) apresentou na Assembleia Legislativa Projeto de Lei que torna obrigatória a disponibilização de cadeiras adaptadas nos estabelecimentos de ensino do Piauí para os portadores de deficiência física ou alguma mobilidade reduzida nas escolas de ensino fundamental, médio, superior e nos cursos de extensão.

Trata-se de uma proposta de ampliar as políticas públicas com o objetivo de favorecer as pessoas com algum tipo de deficiência, a exemplo do que acontece na esfera federal. As cadeiras deverão ser adaptadas aos padrões e normas da Associação Brasileira de Nornas Técnicas (ABNT) e do Instituto Nacional de Metrologia (INMETRO).

Também fica previsto no projeto que, a partir daí, a Secretaria de Educação do Estado deverá fiscalizar a aplicação da lei. De acordo com as Diretrizes Nacionais da lei de Educação Básica, os alunos deficientes necessitam de condições especiais para o ensino e aprendizagem, além da inclusão no processo de aprendizagem.

Conforme as pesquisas hoje, 90% dos deficientes e cadeirantes conhecem os seus direitos fundamentais no que diz respeito ao direito básico do cidadão, de ir e vir. Também 70% dessas pessoas confirmam que o direito à acessibilidade é o principal aspecto nesse setor e reside na adaptação das ruas através de rampas e calçadas adaptadas para pessoas deficientes.

Fonte: rede saci

terça-feira, 31 de julho de 2012

Governador Alckmin inaugura serviço de ginecologia para mulheres com deficiência

Projeto "Sábado sem Barreiras" vai oferecer exames ginecológicos a mulheres com deficiência

Governador e Dra. Linamara no Hospital Perola Byigton na inauguração do serviço
  O governador Geraldo Alckmin abriu neste sábado, 28 de julho, um serviço ambulatorial especializado na assistência em saúde de mulheres com deficiência. Localizado no hospital estadual Pérola Byington, o projeto “Sábado sem Barreiras” oferece assistência em saúde ginecológica para mulheres com deficiência.

  "Hoje começa no Estado de São Paulo um serviço de saúde inovador para mulheres com deficiência. Este programa é feito aos sábados, com isso, utilizamos os serviços de saúde ociosos, o que facilita para as famílias, porque o trânsito é melhor aos sábados", afirmou Alckmin. O governador ainda frisou que a intenção também é levar essa proposta pioneira para outros serviços de saúde do Estado.

  A Secretária de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Dra. Linamara Rizzo Battistella, acompanhou o Governador no lançamento desta importante iniciativa do Governo do Estado.
Os atendimentos, que inicialmente serão realizados no último sábado de cada mês, das 8h às 12h, ocorrerão em um ambulatório localizado no 2º andar do hospital e contará com assistência de uma equipe multidisciplinar composta por médicos ginecologistas, enfermeiros, psicoterapeutas e psicólogos.

  O projeto recebeu investimento de R$ 20 mil para a compra de equipamentos e adequação do espaço físico. Outro diferencial do projeto se deve ao fato de ser considerado “sem tempo de espera”, já que, durante o período que antecede a consulta, as pacientes poderão participar de grupos de discussões com psicólogos e psicoterapeutas sobre sexualidade e outros temas do cotidiano da pessoa com deficiência. Serão realizados dois grupos de discussões por sábado, com início às 8h e às 10h.

  As pacientes vão passar por consultas médicas e fazer exames como ultrassom, mamografia e papanicolau, usando equipamentos adequados, especialmente adquiridos para atendimento a pacientes com deficiência. O atendimento será feito sempre no ultimo sábado do mês.
Agendamento prévio 

   Para passar pelo atendimento médico, a paciente com deficiência deve fazer agendamento prévio por telefone sempre na segunda semana do mês, às segundas, terças ou quintas-feiras, entre 10h e 12h, pelo telefone (11) 3248-8123. Serão atendidas, em média, 1.000 mulheres por ano.

  Os resultados dos exames por imagem, como ultrasonografia, serão entregues no mesmo dia da consulta. Já os resultados de outros exames mais complexos e que eventualmente não fiquem prontos na hora, poderão ser consultados via internet, serviço considerado inédito e exclusivo para estas pacientes.

Agendamento: na segunda semana de cada mês, às segundas, terças ou quintas-feiras, entre 10h e 12h, pelo telefone (11) 3248-8123

domingo, 29 de julho de 2012

Pessoas com deficiência poderão ter prioridade em programas habitacionais

A Câmara analisa o Projeto de Lei 3524/12, do Senado, que inclui a moradia como direito básico das pessoas com deficiência e dá prioridade a esses cidadãos em programas habitacionais públicos ou subsidiados com recursos governamentais.

A proposta altera a Lei 7.853/89, que prevê medidas para a inclusão social dos indivíduos com deficiência. Atualmente, a lei assegura a esse público o direito à educação, à saúde, ao trabalho, ao lazer, à previdência social e ao amparo à infância e à maternidade.

Autora do projeto, a ex-senadora Marisa Serrano argumenta que são "ínfimos" os percentuais de moradia popular financiados pela Caixa Econômica Federal para os cidadãos com deficiência.

Dados de 2006 da Agenda Social do Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência (Conade), citados por Marisa, mostram que apenas 5.239 famílias com renda de até cinco salários mínimos e que possuem integrantes com alguma deficiência foram atendidas pelos programas de habitação social. Segundo o Censo de 2000, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), completa a ex-senadora, há mais de 21 milhões de cidadãos com deficiência de baixa que poderiam ser atendidos por esses programas. “Logo, menos de 0,025% da população está assistida”, conclui.

Abrangência
Marisa Serrano ressalta ainda que a proposta pode beneficiar um número cada vez mais de indivíduos. “Qualquer pessoa poderá adquirir alguma deficiência física ou mental durante a vida, o que confere às políticas de compensação nessa área um caráter de seguro social de abrangência universal”, diz.

O projeto também padroniza a terminologia usada na Lei 7.853/89 para se referir às pessoas com deficiência, adequando o texto ao da Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência da Organização das Nações Unidas (ONU) de 2007.


Tramitação
A proposta tramita apensada ao PL
7699/06, que cria o Estatuto do Portador de Deficiência, e está pronta para ser votada em Plenário.

Fonte: http://www2.camara.gov.br

sexta-feira, 20 de julho de 2012

Veja destinos preparados para receber pessoas com deficiência no Brasil

Para ajudar você, separamos uma lista com seis cidades brasileiras consideradas preparadas para receber turistas com mobilidade reduzida, deficiência auditiva ou visual. Confira os passeios e instalações mais adequadas nos quatro cantos do país
Pessoa com perna amputada está deitada sobre uma boia dentro
Será que arrumar as malas e colocar os pés na estrada é algo tão fácil assim pra todo mundo? No Brasil, cerca de 25 milhões tem algum tipo de deficiência. O que, em muitos casos, pode fazer com que elas tenham dificuldades em aproveitar certos passeios. A acessibilidade é garantida hoje por leis federais, porém, nem sempre os destinos turísticos cumprem as normas e tornam os locais acessíveis a todos.

Por isso, antes mesmo de escolher o destino, é preciso avaliar o que os locais oferecem. Além de estar atento às adaptações para tornar o passeio seguro, vale consultar se o local dispõe de cardápios em braile e informações acessíveis aos deficientes visuais e auditivos. Ainda, é preciso verificar se o local conta com quartos e banheiros adaptados, portas mais largas e barras de apoio. Consulte também, no caso de resorts, se as instalações possuem carrinhos ou cadeiras de roda para serem usadas em seu interior. E, se preferir, contrate serviços de ‘transfers’ para visitar as atrações da cidade. Estenda todos estes cuidados aos locais públicos e informe-se se os parques, museus e passeios contam com aparelhos e atendimento especial para atender às necessidades especiais.
Para ajudar você, no entanto, o Terra listou seis cidades brasileiras consideradas preparadas para receber turistas com mobilidade reduzida, deficiência auditiva ou visual. Confira os passeios e instalações mais adequadas nos quatro cantos do país.

Maceió: segundo o IBGESite externo., a cidade é a capital que possui a maior porcentagem de quartos de hotéis adaptados para receber visitantes com mobilidade reduzida. A cidade ainda conta com um sistema de jangadas adaptadas.

Socorro: a cidade, localizada a 130 km da capital paulista, é um dos destinos com melhores condições de receber pessoas com mobilidade reduzida. A estância hidromineral de Socorro, através do projeto Socorro Acessível, conta com adaptações em diversas atrações. Na cidade, é possível encontrar passeios, transportes, edifícios públicos, estacionamentos, telefones para surdos e cardápios em braile por todos os lados. Socorro recebe famílias inteiras em atividades de aventura e ecoturismo, sem exclusão. O Hotel Fazenda Parque dos SonhosSite externo. conta com passeios a grutas, tirolesas, cachoeiras e trilhas ecológicas adaptadas para receber os visitantes.

São Paulo: a capital paulista é uma das cidades que mais está preparada para os deficientes. Alguns museus, como a Pinacoteca do Estado, MASP, Museu do Futebol e o Museu da Língua Portuguesa, possuem catálogos em braile e audioguias. E as atrações públicas da cidade possuem rampas de acesso ou elevadores para cadeiras de roda. Nos parques do Ibirapuera e Villa Lobos, o acesso é facilitado por meio de rampas e no Parque do Jaraguá, há um mirante adaptado para os cadeirantes. Nas ruas, a acessibilidade é considerada boa, mas ainda não é cumprida a rigor. As estações de metrô e trem são equipadas com elevadores que facilitam o deslocamento das pessoas com mobilidade reduzida. A cidade ainda possui a maior rede hoteleira adaptada, com 511 quartos.

Rio de Janeiro: algumas atrações da cidade estão bem adaptadas para receber os turistas com mobilidade reduzida. Na Lagoa Rodrigo de Freitas, existe um pedalinho motorizado disponível. No Pão-de-açúcar, há elevadores-plataforma que dão acesso às bilheterias e a área de embarque, onde há prioridade para pessoas com deficiência. O Jardim Botânico conta com um jardim sensorial, onde os visitantes têm seus olhos vendados e são guiados por pessoas com deficiência visual em um mini-labirinto, onde terão contato com texturas e odores de diversas plantas.

Fortaleza: na cidade, existe estrutura para atender o visitante com deficiência, porém, em alguns passeios públicos, as pessoas podem enfrentar dificuldades. Um dos principais destinos, o Beach Park, conta com uma boa estrutura de segurança para os visitantes. No Aqua Park, que faz parte do complexo, os visitantes encontram coletes salva-vidas e carrinhos para os que possuem mobilidade reduzida. Os deficientes visuais poderão pedir cardápios em braile. Hotel disponibiliza instalações adaptadas e banheiros com barras de apoio.

Curitiba: quando o assunto é infraestrutura pública, a cidade de Curitiba torna-se a mais preparada para seus moradores e visitantes. Na cidade, os ônibus adaptados são quase totalidade e o Jardim Botânico, um dos pontos turísticos mais visitados, possui o Jardim das Sensações, com trajeto sensorial constituído de uma pista ladeada por sementeiras com legendas em Braille, que oferece a oportunidade de ver, tocar e apreciar o perfume de espécies botânicas, bem como de simular ambientações de floresta.

Ilha Bela: a ilha localizada no litoral paulista possui uma boa infraestrutura para os deficientes que procuram por aventura. Por meio de projetos do governo do estado, algumas praias como a do Perequê, Sino e Praia Grande possuem cadeiras anfíbias, que são aquelas que facilitam a chegada dos deficientes ao mar. A Pedra do Sino, um dos pontos turísticos da cidade, pode ser visitada por todos. Rampas de acesso e uma passarela podem ser usadas. A Praia do Julião conta com rampas de acesso para cadeirantes e banheiros adaptados. Ainda, tanto a rede hoteleira como bares e restaurantes da cidade estão preparados para receber deficientes visuais e disponibilizam cardápios e informações em braile, além de acomodações especiais.

Chapada do Guimarães: a 64 km de Cuiabá, na Chapada do Guimarães, está o Vale da Benção. Em 2011, foi inaugurada a primeira trilha feita para deficientes visuais, no Espaço Turístico Chapada Aventura. A trilha possui cordões e sinalização tátil de onde o visitante pode conhecer um pouco sobre as 32 espécies nativas catalogadas em braile. Pousadas da região contam com adaptação para cadeirantes e cardápios em braile.

Brotas: no interior de São Paulo, a cidade é conhecida por ser um destino de aventuras. Os passeios funcionam normalmente e as operações são idênticas quando existe algum deficiente nelas, o que muda são alguns procedimentos operacionais. Monitores de várias operadoras receberam treinamentos para conduzir os turistas com deficiências. O rafting pode ser praticado por todos, já o rapel só não é indicado para os deficientes visuais. O lugar ainda conta com adaptações para arvorismo e tirolesa

Fonte: vida mais livre

segunda-feira, 16 de julho de 2012

TAM será a primeira no mundo a ter banheiros com acessibilidade em aeronaves narrow body

Pela primeira vez na história das aeronaves narrow body (de corredor único), o novo layout permite que os dois sanitários localizados na traseira do avião sejam facilmente convertidos em um, adaptado para pessoas com mobilidade reduzida.


A TAMSite externo. será o primeiro cliente da Airbus em todo o mundo a receber aeronaves da Família A320 com uma nova opção de cabine que vai beneficiar o passageiro com mobilidade reduzida. A novidade da Airbus, chamada de Space-Flex, permitirá um uso mais eficiente do volume na parte traseira da cabine, com dois sanitários e uma galley (nome da área dedicada à armazenagem e manuseio de alimentos e bebidas nas aeronaves) menor.

Pela primeira vez na história das aeronaves narrow body (de corredor único), o novo layout permite que os dois sanitários localizados na traseira do avião sejam facilmente convertidos em um, adaptado para pessoas com mobilidade reduzida.

Ao todo, 39 novas aeronaves da TAM estarão equipadas com o Space-Flex e serão entregues à companhia a partir do último trimestre de 2013. Os aviões da Família A320 operam principalmente nas rotas domésticas da empresa.

Imagem

Fonte: vidamaislivre.com.br

sexta-feira, 13 de julho de 2012

Encontro Internacional de Tecnologia e Inovação chega a sua 4º edição

O evento acontecerá entre 15 e 17 de agosto. O objetivo deste 4º ano é discutir Deficiência & Desenvolvimento Sustentável
De 15 a 17 de agosto acontecerá em São Paulo, no Palácio das Convenções Anhembi, o 4º Encontro Internacional de Tecnologia e Inovação.
A marca do Encontro Internacional de Tecnologia e Inovação para Pessoas com Deficiência, que este ano chega à sua quarta edição, é a organização, coordenação e realização de atividades voltadas à difusão de Tecnologia Assistiva para a melhoria da qualidade de vida de toda a população.
O objetivo do evento este ano é discutir Deficiência & Desenvolvimento Sustentável, buscando quantificar o universo da deficiência, conhecer seus custos, seu papel e seu valor no contexto social.
A Exposição de Inovação tem apoio institucional do FORTEC – Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia, que seleciona e apresenta os melhores projetos de Tecnologia Assistiva desenvolvidos pelas principais universidades e centros de pesquisa do país.
Durante este ano haverá um evento paralelo ao Encontro, será o XXIII Congresso Brasileiro de Medicina Física e Reabilitação, que reunirá temas atuais e de grande relevância para a prática clínica em reabilitação.
Confira a programação e faça sua inscrição para o Encontro Internacional em http://4encontro.sedpcd.sp.gov.br/index.php
Para mais informações sobre o XXIII Congresso Brasileiro de Medicina Fisica e Reabilitação, visite o site www.fisiatria2012.com.br
SERVIÇO
4º Encontro Internacional de Tecnologia e Inovação
Data: 15 a 17 de agosto
Local: Palácio das Convenções Anhembi
Endereço: Av. Olavo Fontoura, 1209 - Parque Anhembi - Santana - São Paulo
INSCRIÇÕES ABERTAS - PARTICIPE!

Fonte:http://www.pessoacomdeficiencia.sp.gov.br

terça-feira, 3 de julho de 2012

Bares e Restaurantes acessíveis. Um prato cheio para a inclusão.

Nailde 332

Assim que um empresário decide abrir um bar ou restaurante é necessário observar se o local já é acessível, ou se nele é permitido fazer reformas para adaptá-lo aos requisitos atuais de acessibilidade.

E o que é considerado um ambiente acessível? É definido como acessível um local livre das barreiras que impeçam o fluxo dos clientes pelo estabelecimento, desde a entrada.
E por que se preocupar com isto? A acessibilidade além de ser uma lei cada vez mais fiscalizada, é um ato de cidadania e mostra a preocupação que a empresa tem com as pessoas. Um espaço acessível facilita o deslocamento de todos, e consequentemente auxilia nos fluxos de funcionários e mercadorias. Também beneficia a visualização do cliente sobre determinado produto ou serviço, o que pode acarretar em aumento de vendas e a satisfação final do consumidor.
Abaixo seguem estão alguns itens da norma brasileira de acessibilidade para restaurantes, bares e similares:
1. É necessário que pelo menos 5% do total das mesas, com no mínimo uma, seja acessível à pessoa cadeirante. Esta porcentagem também é válida para o buffet e caixa. As mesas devem ser integradas às demais, para que sejam oferecidas todas as habituais comodidades e serviços disponíveis no local. Em alguns estabelecimentos observam-se certas incoerências em relação ao assunto, por exemplo, espaços destinados às pessoas com mobilidade reduzida localizados no segundo pavimento, com o acesso obrigatório realizado por escadas, ou mesas isoladas do restante do salão. O cliente está cada vez mais informado e percebe quando as adequações são excludentes.
2. O estabelecimento deve oferecer exemplares do cardápio em braile.
3. Atente-se para as medidas, principalmente em relação às alturas. Nos balcões de auto-serviço, a altura máxima é de 85 cm.Também é necessária uma área de aproximação de 90 cm. Veja a figura 1.

4. Os caixas de pagamento e atendimentos rápidos devem possuir altura máxima de 105 cm do piso. Veja figura 2.

E lembrem-se! Não devemos considerar somente como beneficiários os portadores de algum tipo de necessidade especial permanente, mas também os portadores de necessidades especiais momentâneas, que podem ser qualquer um de nós, em determinada época da vida. A gravidez, uma perna quebrada, torção no pé ou até mesmo uma gripe, deixam as pessoas incapazes de exercer uma atividade com a mesma intensidade. E nestes momentos, como seria bom se não existissem degraus, se o local fosse bem sinalizado, se as rampas e passeios tivessem a inclinação correta e demais condições de acessibilidade respeitadas


Fonte: deficiêntes sim, incapazes nunca.

quinta-feira, 28 de junho de 2012

Construtoras ignoram medidas para acesso de pessoas com deficiência

No Brasil, quase 5,5 milhões de pessoas têm alguma deficiência de locomoção. E, pra elas, encontrar um imóvel pode ser um desafio enorme.


 
No Brasil, quase 5,5 milhões de pessoas têm alguma deficiência de locomoção. E, pra elas, encontrar um imóvel pode ser um desafio enorme.
O aposentado José Machado Filho tenta se movimentar no apartamento novo. “Na suíte, não para entrar, não. Nem fazendo várias manobras, não tem como”, destaca.
O imóvel não foi projetado para pessoas com deficiência. “Na varanda, para ir, dá. Na volta é que é complicado porque tem degrau”, conta.
A ideia da família era dar mais conforto para o aposentado. Mas, com tantos obstáculos, já está decidido: eles vão trocar de imóvel.
“A gente não tem como alargar esse espaço para que a cadeira possa passar pra dentro do box para que ele possa tomar banho. É uma coluna de estrutura do prédio, então, não tem como mexer nessa coluna”, afirma Flávia Machado, funcionaria publica.
O grande problema é que a entrada de alguns cômodos é pequena. Até uma pessoa que não usa cadeira de rodas pode ter dificuldade em passar.
Fita métrica na mão, todo dia, a corretora Janeth de Souza sai à procura de imóveis com portas mais largas, uma raridade no mercado.
“Os imóveis novos visam a parte maior, área de lazer ou então a área do terraço, focando dentro do imóvel. Já a parte intima dos apartamentos, eles estão sendo sempre reduzidos”, explica Janeth Maria de Souza, corretora de imóveis.
Depois de morar em muitos endereços, a agente escolar Vera Lúcia Fabrício Silva encontrou em um imóvel o que tanto procurava.
“O espaço que tenho aqui é tudo o que eu precisava”, disse Vera.

Construído pela companhia de habitação de
São Paulo, o apartamento tem o tamanho adequado para atender pessoas com deficiência, um direito garantido por leis do estado e do município.
O mercado imobiliário não tem essa obrigação legal. Mesmo assim, o sindicato da habitação quer convencer as construtoras a fazer pelo menos uma parte dos imóveis com medidas maiores.
“Vamos tentar fazer uma conscientização das empresas justamente pela necessidade de que seja atendida essa parcela da população”, ressaltou Cláudio Bernardes, presidente do Sindicato da Habitação

Fonte: G1

quarta-feira, 20 de junho de 2012

Comissão obriga montadoras a fabricar veículos adaptados para pessoas com deficiência


A proposta também limita em 10% o aumento do valor do carro adaptado, em relação ao modelo convencional. A montadora que descumprir a determinação será multada em 20% do valor do veículo sem as alterações.

Carro adaptado para pessoa com deficiência
A Comissão de Seguridade Social e Família aprovou, na quarta-feira (13), proposta que obriga as montadoras a oferecer carrosadaptados aos consumidores com deficiência, que têm direito de comprar o automóvel com isenções de tributos. A norma, prevista no Projeto de Lei 1042/11, determina a produção de, no mínimo, três veículos adaptados de cada modelo para cada mil fabricados.
O autor do texto, deputado Dr. Ubiali (PSB-SP)Site externo., explicou que algumas montadoras apenas vendem o serviço de adaptação, que será realizado por uma empresa terceirizada, mas não se responsabilizam pelo trabalho.

A proposta também limita em 10% o aumento do valor do carro adaptado, em relação ao modelo convencional. A montadora que descumprir a determinação será multada em 20% do valor do veículo sem as alterações.

A relatora na comissão, deputada Rosinha do Adefal (PTdoB-AL)Site externo., recomendou a aprovação do texto. Ela declarou que a compra de um veículo adaptado atualmente é “uma aventura”, uma vez que o comprador precisa comprovar a deficiência, requerer o benefício tributário e, depois de vencida a burocracia, buscar um veículo que o satisfaça. “Há adaptações que as montadoras se recusam a efetuar, levando a pessoa com deficiência a entregar seu veículo novo a empresas não autorizadas, sob risco de perderem a garantia de fábrica”, argumentou.

Tramitação
O projeto, que tramita em caráter conclusivo, será analisado ainda pelas comissões de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.


Fonte: vida mais livre

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Candidatos com deficiência terão mais tempo no Enem

Todos terão direito a ajuda de um profissional ledor e transcritor. Também será possível pedir mais tempo para fazer as provas e suas redações serão avaliadas sob outros tipos de critérios de avaliação.

Diversos lápis de cor empilhados
As normas para atendimento individualizado para candidatos com deficiências têm se aperfeiçoado, de acordo com o Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira)Site externo.. Este ano, o edital deixou evidente que, além dos estudantes com deficiência física, visual e auditiva que, em geral, podem requerer atendimento exclusivo, outros grupos serão beneficiados.
Pela primeira vez, as normas do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio)Site externo. orientam estudantes com dislexia, hiperativos e autistas, por exemplo, a solicitar atendimento exclusivo dos organizadores da prova. Todos terão direito a ajuda de um profissional ledor e transcritor. Também será possível pedir mais tempo para fazer as provas e suas redações serão avaliadas sob outros tipos de critérios de avaliação.
"Ao longo de sucessivas realizações do exame, o processo de eliminação de barreiras e de provimento de serviços profissionais especializados e de recursos de acessibilidade vem se aprimorando", afirma o órgão. Para quem desfruta de atendimento, são essas particularidades que garantem a igualdade de condições.
Após a solicitação realizada pela internet ao longo da inscrição, os funcionários do Inep ligam para cada candidato confirmando as solicitações. É nessa hora que os estudantes podem solicitar também tempo adicional para realizar as provas. É importante lembrar que é preciso comprovar, com laudos periciais, as necessidades especiais.
As dificuldades com a linguagem serão levadas em conta este ano na avaliações das redações. Os métodos de avaliação dos textos de estudantes surdos ou com deficiência auditiva são coesos ao aprendizado da língua portuguesa como segunda língua. Para os disléxicos, as propriedades linguísticas de quem possui essa condição também são levadas em conta.
Confira trechos do edital:
"2.2 O PARTICIPANTE que necessite de atendimento DIFERENCIADO e/ou de atendimento ESPECÍFICO deverá, no ato da inscrição:

2.2.1 Informar, em campo próprio do sistema de inscrição, a necessidade que motiva a solicitação de atendimento de acordo com as opções apresentadas:
2.2.1.1 Atendimento DIFERENCIADO: oferecido a pessoas com baixa visão, cegueira, deficiência física, deficiência auditiva, surdez, deficiência intelectual (mental), surdocegueira, dislexia, déficit de atenção, autismo, gestante, lactante, idoso, estudante em classe hospitalar ou outra condição incapacitante.
2.2.2 Solicitar, em campo próprio do sistema de inscrição, o auxílio ou o recurso de que necessita, em caso de atendimento DIFERENCIADO, de acordo com as opções apresentadas: prova em braile, prova com letra ampliada (fonte de tamanho 24 e com figuras ampliadas), tradutor-intérprete de Língua Brasileira de Sinais (Libras), guia-intérprete, auxílio ledor, auxílio para transcrição, leitura labial, sala de fácil acesso e mobiliário acessível."

Fonte: vida mais livre

quarta-feira, 13 de junho de 2012

Desenvolvimento inclusivo é tema de Fórum na Rio+20

Fórum acontece no domingo, 17 de junho, e é aberto ao público
A ampla participação pública na tomada de decisões é um pré-requisito fundamental para o desenvolvimento sustentável. Por isso, a Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo propõe a criação de instâncias governamentais especializadas na defesa dos direitos da pessoa com deficiência nos três níveis da administração pública (nacional, estadual e municipal), capazes de atender e endereçar, de forma transversal, as demandas desse segmento.
O Fórum Paralelo Promovendo o Desenvolvimento Inclusivo para um Futuro Sustentável”, acontece no domingo, 17 de junho, a partir das 12h, no Rio de Janeiro. Desempenhará papel significativo, não só para a Rio+20, mas também como um passo importante na inserção das questões relativas aos direitos das pessoas com deficiência nas agendas de desenvolvimento em nível nacional e internacional, como a 5ª Conferência dos Estados Partes da Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, a Reunião de Alto Nível sobre Deficiência e Desenvolvimento da Assembléia Geral, e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável pós-2015.
O Fórum oferece uma grande oportunidade para as organizações da sociedade civil engajarem-se na fundamental discussão sobre o papel das pessoas com deficiência nas estratégias nacionais e globais de desenvolvimento sustentável e equitativo. Este é um esforço colaborativo para promover a perspectiva das pessoas com deficiência na agenda internacional de desenvolvimento – e para que todas as partes interessadas falem em uníssono sobre a necessidade da inclusão das pessoas com deficiência em todos os aspectos relacionados à sociedade e ao desenvolvimento.
O Comitê Nacional Organizador da Rio+20, a Rede Latino Americana de Organizações Não-Governamentais de Pessoas com Deficiência e suas Famílias (RIADIS), e o Secretariado da Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, do Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais, assim como a Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo, apóiam essa extraordinária iniciativa.

Coordenadoria de Relações Institucionais
Assessoria de Relações Internacionais
Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo

Fonte :http://www.pessoacomdeficiencia.sp.gov.b

terça-feira, 5 de junho de 2012

Pessoas ficam surpresas ao ver o casal: andante e o parceiro cadeirante

O funcionário público Ismael Roberto Batista Melo é cadeirante e casado há três anos com Ivânia Sartori, que não tem deficiência física.

Ismael diz que o preconceito é inevitável. "Quando estamos juntos, as pessoas perguntam se somos irmãos e ao falar que somos casados, ficam surpresas. Percebemos que ficam intrigadas, tentando entender a razão da união", destaca.
O casal tem uma filha de um ano e três meses e as pessoas ficam espantadas ao saberem que a criança é filha de Ismael. "Eles veem que ela se parece comigo e mesmo assim perguntam se é minha filha?", ressalta.

De acordo com Ivânia, quando as pessoas a viram grávida, não acreditavam que o filho pudesse ser de Ismael. "É um absurdo, mas muitos acham que um cadeirante não pode se casar ou ter um relacionamento sexual. Já estamos acostumados com essa reação", declara.

Antes do casamento, Ismael e Ivânia também enfrentaram o preconceito da família. "Eles achavam que seria muito difícil para eu conviver com uma pessoa que não anda. Outros diziam que eu era maluca por viver com um deficiente", conta Ivânia.

Para a esposa, a situação é triste, porém superável. "Infelizmente as pessoas acham que um deficiente é inútil, mas o sentimento que eu tenho por ele é maior do que tudo isso. Todas as pessoas tem algum tipo de dificuldade, mesmo não tendo problemas físicos", declara Sartori.

Apesar das manifestações preconceituosas, o casal vive normalmente e aprendeu a conviver com as limitações. Ivânia está grávida de mais um menino e os dois estão muito felizes pela união. "Às vezes, fico chateada por causa do que as pessoas falam, mas sei que o que importa é o que nós vivemos e o que sentimos um pelo outro", frisa.


Fonte: o diario

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Abertas inscrições para o IV Concurso Moda Inclusiva

Pelo quarto ano consecutivo, o Concurso busca promover o debate sobre a moda diferenciada e acessível
Desfile de Moda Inclusiva no ano passado.
Pelo quarto ano consecutivo, o Concurso Moda Inclusiva, realizado pela Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência, abre inscrições para estudantes matriculados em instituições de ensino superior, escola técnica ou profissionais formados na área de Moda.
As inscrições para o concurso estão abertas de 14 de maio a 31 de julho de 2012.
O concurso tem a finalidade de promover o debate sobre a moda diferenciada e acessível. Para se inscrever, o participante deve preencher a ficha de inscrição disponível exclusivamente no site http://modainclusiva.sedpcd.sp.gov.br, após isso, ele receberá um email com um número que o identificará durante todo o concurso.
Após inscrever-se, o participante deve enviar seus trabalhos impressos em uma só remessa, até dia 31 de julho de 2012 para: “IV Concurso Moda Inclusiva” Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência - Rua: Auro Soares de Moura Andrade, 564 – Portão 10 - 01156-001 – Barra Funda – São Paulo – SP.

Feito isso, o participante, também deverá enviar seus trabalhos digitalizados, por e-mail, para o endereço: modainclusiva@sp.gov.br.

O material deverá ser enviado em folha tamanho A4 Ficha Croqui, com Ficha Técnica de cada uma das peças que o compõe e ficha de Inspiração/Painel de Tendências. Além disso, o número de identificação do participante deve estar em todas as páginas do trabalho, de forma claramente classificável. Todos os modelos de ficha e demais informações estão disponíveis no site do Concurso: http://modainclusiva.sedpcd.sp.gov.br

Os 20 looks selecionados pela Comissão Julgadora serão apresentados ao Corpo de Jurados em desfile, que será realizado às 19 horas, do dia 13 de novembro de 2012.

Moda Inclusiva
O concurso tem o objetivo de contribuir para uma sociedade mais justa e inclusiva, na qual todos tenham acesso igualitário aos produtos, bens e serviços disponíveis. A finalidade do concurso é promover importante debate sobre moda diferenciada, além de incentivar o surgimento de novas soluções e propostas em relação ao vestuário para as pessoas com deficiência.

O Concurso Moda Inclusiva, é uma iniciativa da Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência, foi o primeiro realizado no Brasil e, segundo pesquisas, também inédito no âmbito internacional nesse formato.

A primeira edição foi na sede da Secretaria, em 2009; a segunda, no Museu da Língua Portuguesa, em 2010; e sua terceira edição foi realizada no Museu da Casa Brasileira, em 2011, todas as edições aconteceram em São Paulo.

Também no ano de 2011, a Secretaria levou a ideia de "Moda Inclusiva" para a Rússia, em uma iniciativa inédita no país.
SERVIÇO
Inscrições para o IV Concurso Moda Inclusiva
Data: 14 de maio a 31 de julho de 2012
Realização: Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência

CLIQUE AQUI PARA CONFERIR O ÁLBUM DE FOTOS DO DESFILE DE 2011

Fonte: http://www.pessoacomdeficiencia.sp.gov.br

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Paraplégica conclui Maratona de Londres em 16 dias


Claire Lomas na chegada da maratona de Londres ( Foto: AP)LONDRES - No dia 22 de abril, 36 mil corredores partiram de Greenwich para percorrer a Maratona de Londres. Duas horas, quatro minutos e 44 segundos depois, o queniano Wilson Quipsang cruzava a faixa de chegada da prova em St James's Park. No fim daquele dia, uma outra competidora, a britânica Claire Lomas, comemorava os três primeiros quilômetros completados. Ela repetiu essa marca - que Quipsang percorreu a cada sete minutos - pelas duas semanas seguintes até atravessar a fita vermelha estendida especialmente para ela no último 8 de maio, às 12h50m, acompanhada por centenas de torcedores.

Quipsang levou a medalha de ouro, Claire Lomas saiu dessa prova sem sequer ter seu nome entre os que a completaram oficialmente. Mas marca na História um feito inédito: aos 32 anos, paraplégica há cinco, ela se tornou a primeira pessoa a completar uma maratona com a ajuda de um exoesqueleto biônico.


- Pela primeira vez em cinco anos quero de verdade ficar sentada! - disse Claire, ao se apoiar em sua cadeira de rodas, para um breve descanso depois da prova. - É simplesmente inacreditável.


Em 2007, Claire teve fraturas na coluna - no pescoço e na altura do tórax -, além de um pulmão perfurado quando montava seu cavalo e bateu contra uma árvore. Desde o momento em que soube que precisaria de uma cadeira de rodas para se locomover, Claire começou a pesquisar cada vez mais a fundo os meios para recuperar os movimentos. Foi navegando pela internet que descobriu o aparelho ReWalk, desenvolvido pelo israelense Amit Goffer. Com ajuda de amigos e parentes, conseguiu levantar as 43 mil libras (pouco mais de R$ 137 mil) necessárias para comprar a engenhoca robótica que a fez ficar de pé e dar os primeiros passos desde o acidente. Três meses antes da maratona, Claire ensaiava uma caminhada na companhia de sua filha Maisie, de um ano.


- No início eu estava tão vacilante quanto Maisie - brinca a atleta, com um sorriso que parece ser inabalável e com a filha de pé a seu lado.


Com seu feito, Claire co
nseguiu levantar mais de 86 mil libras (R$ 276.500,00) para uma instituição que financia pesquisas médicas para tratamentos de paralisia.
- Quando estava no hospital me recuperando acompanhei muitas histórias semelhantes ou piores que a minha. Sou muito grata às pessoas pelo apoio que me deram. Muitos não podem ter essa ajuda e precisamos encontrar a cura para lesões que vemos todos os dias acontecer - afirmou Claire, logo após receber da filha do patrocinador oficial da maratona um troféu, no lugar da medalha.

As medalhas que ela exibiu no peito foram doadas por alguns corredores que completaram a maratona duas semanas antes e acompanharam a atleta e todo seu esforço. Uma delas foi entregue pela inglesa Jacqui Rose:- A medalha de uma maratona simboliza tudo o que você passou para chegar ao fim da prova. E Claire é o próprio espírito disso tudo.


Enquanto falava com a imprensa, Claire era observada pelo marido Dan, uma companhia constante ao longo de todo o percurso. Seu papel era o de apoio, sempre atrás da atleta, para ajudá-la em caso de desequilíbrio, principalmente nas subidas e descidas, já que o exoesqueleto - que cobre as laterais das pernas e ainda é acompanhado de uma mochila para os sensores - pesa 25 quilos. Perguntado sobre qual seria a próxima aventura de Claire, ele faz graça:- Do jeito que ela é determinada, o próximo desafio será a travessia do Canal da Mancha. Mas nessa eu não vou, preciso descansar!Uma fila de cem nomes espera pelo lançamento dos próximos aparelhos no Reino Unido. São pessoas que vão investir alto para poder andar com a ajuda da engrenagem e de seus sensores eletrônicos e também de um par de muletas. O distribuidor em Londres, Dave Hawkins, estima que os primeiros aparelhos cheguem ao mercado em dois meses.


O feito dessa mãe, designer de joias e maratonista nas horas vagas foi celebrado até pelo primeiro-ministro David Cameron e sua mulher, Samantha. O registro da carta dos dois a Claire está estampado com orgulho em seu Twitter, onde ela também dá o recado: "Nunca desista!"Reportagem publicada no vespertino para tablet O GLOBO A MAIS


Fonte: yahoo.com


domingo, 6 de maio de 2012

Até 9 de maio é o prazo para eleitor com deficiência pedir mudança de seção

No sábado e domingo, dias 5 e 6, TRE faz plantão em todo o Estado, das 9h às 18h. Até 9 de maio, os cartórios funcionam no mesmo horário devido ao fim do prazo para alistamento eleitoral e transferência de títulos.
Voto: exercício da cidadania

Seções especiais

O eleitor com deficiência que não está inscrito em uma seção especial deve solicitar transferência para uma delas, até 9 de maio, a fim de evitar aborrecimentos no dia da votação. Essas seções não possuem escadas, facilitando o acesso dessas pessoas às urnas.
Todas as zonas eleitorais possuem seções especiais. Idosos com dificuldade de locomoção também podem transferir seu título para uma seção especial, pois ela não é exclusiva de eleitores com deficiência.
Neste fim de semana, dias 5 e 6, haverá plantão em todo o Estado, das 9h às 18h. Até 9 de maio, os cartórios funcionam no mesmo horário devido ao fim do prazo para alistamento eleitoral e transferência de títulos.
O eleitor com deficiência ou mobilidade reduzida poderá realizar sua inscrição eleitoral ou solicitar a transferência para seção eleitoral que possua adequadas condições de acesso (Seção Eleitoral Especial). Para requerer a modificação, o eleitor deve comparecer pessoalmente ao seu Cartório Eleitoral. Caso haja dúvida em relação ao endereço, consulte o site www.tre-sp.jus.br – opção "Endereço dos Cartórios Eleitorais" ou a Central de Atendimento ao Eleitor pelo telefone 148 ou 3130-2100.


Documentos

Quem for tirar o título de eleitor pela primeira vez - tendo ou não deficiência - deve comparecer ao cartório eleitoral com documento de identidade, comprovante de endereço recente e comprovante de quitação militar para homens entre 18 e 45 anos. A Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e o passaporte azul não são aceitos para o alistamento porque não contêm nacionalidade/naturalidade e filiação, respectivamente.

No caso de transferência, o eleitor deve levar o título de eleitor, o documento de identificação e comprovante de residência recente. É necessário que tenha decorrido pelo menos um ano da inscrição ou transferência anterior e residência mínima de três meses no novo endereço.

Título Net

O sistema Título Net, pré-atendimento realizado pela Internet, estará disponível somente até o dia 4 de maio. O agendamento, que é outro serviço oferecido pelo sistema, também será permitido só até essa data.

Segunda via do título

O eleitor que teve seu título extraviado pode solicitar a segunda via até 27 de setembro, no cartório eleitoral onde está inscrito. A segunda via somente é emitida nos casos em que não há qualquer alteração de dados e/ou endereço.

Endereços dos cartórios

O cidadão pode obter o endereço dos cartórios eleitorais e acessar o tira-dúvidas, por meio do site www.tre-sp.jus.br. No mesmo endereço, o eleitor inscrito no Estado de São Paulo que está em dia com a Justiça Eleitoral pode emitir, na hora, a certidão de quitação eleitoral. Mais informações podem ser obtidas na Central de Atendimento ao Eleitor, pelos telefones 148 (ligação local para todo o Estado) ou (11) 3130-2100 (para ligações da capital).

FIQUE ATENTO AOS PRAZOS:
Até dia 09/05/2012

O eleitor com deficiência ou mobilidade reduzida poderá realizar sua inscrição eleitoral ou solicitar a transferência para seção eleitoral que possua adequadas condições de acesso (Seção Eleitoral Especial).
Para requerer a modificação, o eleitor deve comparecer pessoalmente ao seu Cartório Eleitoral. Caso haja dúvida em relação ao endereço, consulte o site www.tre-sp.jus.br – opção "Endereço dos Cartórios Eleitorais" ou a Central de Atendimento ao Eleitor pelo telefone 148 ou 3130-2100.
Até o dia 09/07/2012
Os eleitores com deficiência ou mobilidade reduzida que tenham solicitado transferência para seção eleitoral que possua adequadas condições de acesso (Seção Eleitoral Especial) deverão comunicar ao Juiz Eleitoral, por escrito, suas restrições e necessidades, a fim de que a Justiça eleitoral providencie os meios e recursos destinados a facilitar-lhes o exercício do voto.
O TRE alerta: muitas vezes, o eleitor com deficiência vota em um local sem seção especial, sendo que ele mesmo deve adotar a iniciativa de pleitear sua transferência para outro local, já que a Justiça Eleitoral não pode fazer a mudança de forma impositiva.

Fonte: Assessoria de Comunicação Social TRE-SPhttp://agencia.tse.jus.br/sadAdmAgencia/noticiaSearch.do?acao=get&id=1472121

Referencia: rede saci

quarta-feira, 2 de maio de 2012

Mais recursos para atender pessoas com deficiência


Em 2012 serão destinados mais R$ 250 milhões à saúde de 23,9% da população que possuem algum tipo de deficiência no País


Duas portarias publicadas no Diário Oficial da União, nesta quarta-feira (25) e esta quinta-feira (26), pelo Ministério da Saúde, vão melhorar a vida de cerca de 45 milhões de brasileiros - 23,9% da população - que possuem algum tipo de deficiência no País. Enquanto a primeira institui a rede de cuidados à pessoa com deficiência a segunda cria incentivos financeiros de investimento e de custeio para o componente de atenção especializada à mesma rede.
Criada ano passado, em parceria com outros 15 ministérios, o Viver Sem Limite - Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência vai investir nos próximos três anos R$ 7,6 bilhões. Deste montante, R$ 1,4 bilhão será destinado ao eixo da saúde.
A rede de cuidados à pessoa com deficiência tem como objetivo ampliar o acesso e qualificar o atendimento às pessoas com deficiência temporária ou permanente, progressiva, regressiva, ou estável; de forma intermitente ou contínua no SUS; ampliar a oferta de Órtese, Prótese e Meios Auxiliares de Locomoção (OPM), dentre outras. Para atingir tais metas, o ministério criou diretrizes reivindicadas por anos pelas pessoas com deficiência e seus familiares, como respeito aos direitos humanos; garantia de autonomia; independência e liberdade para que façam suas próprias escolhas; promoção da equidade e do respeito às diferenças; garantia de acesso e de qualidade dos serviços; atenção humanizada e mais.

Recurso
Já em 2012 o Ministério da Saúde pretende investir aproximadamente R$ 250 milhões a mais que ano passado, quando foram investidos R$ 641 milhões na Saúde da Pessoa Com Deficiência. A verba extra, possível graças ao Viver Sem Limite, promoverá, ainda segundo a portaria desta quinta-feira, a construção, reforma ou ampliação dos Centros especializados em Reabilitação (CER) e do serviço de oficina ortopédica e aquisição de equipamentos e outros materiais permanentes. Com ela também será possível custear o funcionamentos dos novos CERs, com valores que variam R$ 140 mil a R$ 345 mil por mês.
Os CERs são considerados uma das novidades do programa e são serviços que agregam tecnologia para atender às várias modalidades de reabilitação de modo integrado para os diferentes tipos de deficiência, com qualidade e efetividade no cuidado.
Até o fim 2014 está prevista a criação de 45 CER (sendo 22 qualificados). Para facilitar o acesso e a frequência da pessoa com deficiência aos locais de reabilitação, os CERs garantirão o transporte. A meta inicial é adquirir até 2014, 88 veículos adaptados para transportar pessoas com deficiência.

Projetos
A operacionalização e implantação da Rede de Cuidados à Pessoa com Deficiência se darãopartir da criação dos Grupos Condutores Estaduais, que farão o diagnóstico situacional e Plano de Ação Regional e dos Planos de Ação Municipais. Após aprovação em CIB, tais planos serão apresentados ao Ministério da Saúde que realizará a devida análise técnica para a contratualização da Rede, conforme previsto na Portaria 793, de 24 de abril de 2012.

Fonte: saci

terça-feira, 24 de abril de 2012

Censo da Inclusão começa dia 23

A partir de 23 de março, a Prefeitura de São Paulo realizará, pela primeira vez, uma pesquisa ampla sobre a situação dos deficientes físicos que vivem na cidade.
O Censo da Inclusão servirá para nortear as políticas públicas municipais.
O vereador Floriano Pesaro (PSDB), durante pronunciamento no Plenário da Câmara Municipal de São Paulo, pediu à população que colabore com o Censo, que tem o objetivo de atingir 93% das residências da cidade.
Ele lembrou que essa é uma iniciativa fundamental para ampliar o acesso dessas pessoas aos serviços municipais e atividades culturais.
Entre 23 de março e 21 de maio, os paulistanos receberão pelo correio, em suas residências, o formulário do Censo da Inclusão para preencher.
O questionário também poderá ser respondido pela internet, no endereço eletrônico www.censoinclusao.sp.gov.br

fonte: Câmara municipal de sp

quinta-feira, 19 de abril de 2012

Municípios assinam convênios para o programa “Praia Acessível”

As prefeituras de 10 municípios paulistas assinam, nesta quarta-feira, convênios para a ampliação do programa Praia Acessível em água doce

municípios recebem Programa Praia Acessível: garantia do direito ao lazer e entretenimento ao lazer

A Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência e os representantes das prefeituras de Arealva, Avaré, Fartura, Itapura, Panorama, Presidente Epitácio, Rifaina, Rosana, Santa Fé do Sul e Teodoro Sampaio, assinaram, nesta data convênio para a ampliação do programa Praia Acessível, visando a entrega de cadeiras anfíbias. O intuito é promover a inclusão das pessoas com deficiência também no lazer.
Para a Secretária de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Dra. Linamara Rizzo Battistella, assim como a pessoa com deficiência tem direito ao trabalho e educação, também tem direito ao lazer e entretenimento.
"A entrega das cadeiras anfíbias às praias de rios tem um grande significado, representa um impacto tranformador para as pessoas com deficiência", destacou a Secretária.
"A parceria com os municípios e a transferência das cadeiras nos ajudam a materializar o direito à inclusão, a construir um novo olhar por uma sociedade mais justa", acrescentou.

PRAIA DE RIO
É a segunda vez que a Secretaria leva o programa a municípios que não contam com a proximidade do mar. A primeira cidade a receber o Programa Praia Acessível para água doce foi Ilha Solteira, em 15 de janeiro deste ano. A prefeitura da Estância Turística de Ilha Solteira recebeu dez cadeiras anfíbias, entregues na Praia Catarina.


PROGRAMA PRAIA ACESSÍVEL
O Governo do Estado de São Paulo lançou, no verão de 2010, na Praia Grande, Baixada Santista, o Programa Praia Acessível. A iniciativa da Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência visa disponibilizar cadeiras de rodas anfíbias em cidades do litoral, garantindo o pleno acesso das pessoas com deficiência às praias paulistas.
"O Programa Praia Acessível visa facilitar o acesso de pessoas com deficiência física ao mar. A secretaria que cuida do banhista com deficiência física projetou uma cadeira especial para isso, que não afunda na areia, que flutua e que precisa, naturalmente, de uma acompanhante", disse José Serra, então governador de São Paulo, durante o lançamento. "O programa vai funcionar inicialmente na Ilha Bela, em Santos e na Praia Grande. E pouco a pouco, em todas as praias. Ele é mais um aspecto da grande batalha que estamos fazendo em São Paulo para dar as pessoas com deficiência melhores condições de vida e cidadania", completou.
As cadeiras utilizadas no Programa, destacou a Secretária de Estado Dra. Linamara, são feitas "com um pneu especial que permite superar a dificuldade da areia e também não afundam dentro da água. A altura dela é compatível com a possibilidade do usuário sentir a água, numa profundidade não perigosa do mar ou do rio. Existe facilidade na transferência porque os braços são removíveis", explicou.

Fonte:http://www.pessoacomdeficiencia.sp.gov.br

Postagens populares